sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Reencontros

Doar-se nunca foi algo fácil para mim...
Acredito que para ninguém é, mas depois de certas coisas que acontecem na vida, os muros da desconfiança se tornam verdadeiras mulharas.
E deixar essa proteção é um ato quase sobre humano.
É um ato de extrema coragem, coragem baseada e fortalecida no desejo de amar e de ser amada.
As pessoas são diferentes, os relacionamentos são diferentes, as expectativas são diferentes. Mas o desejo de amar e ser amado sem ressalvas são iguais para qualquer um.
Depois de muito cair, de me apoiar em situações passageiras, sinto agora que caminho com minhas próprias pernas e esta espécie de coragem de mergulhar na incerteza e aventura da vida, me dá uma espécie de força e alegria para confiar na ventura que a vida pode ser.
E sinto no peito uma vertigenzinha, que acompanha o medo, que acompanha a incerteza, que acompanha ao decisão de querer e voltar amar. Um sentimento misturado ao mel e ao fel de estar viva, bem viva, correndo o perigo que é estar assim.
Sinto que ganho coragem, cada vez mais coragem.
E sinto que sou, estou e serei. Inteira.
E não quero nunca mais deixar de ser assim.
Pois sendo inteira poderei ser metade. E somada a outra metade inteira, poderei ser metade de um inteiro completo, seguro e firme.
Ainda que não seja você, e que certas complexidades da vida a dois, venham afastar a certeza de ser você o futuro da minha vida.
Não poderei esquecer que na esperança de sermos "nós", eu reencontrei a mim mesma.

What Am I to You -Norah Jones

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Recomeços

As palavras sempre foram minha maior e melhor companhia.
Minha análise, meu apoio, me centro de equilibrio.
Minha forma de colocar em ordem a desordem do peito, de tentar racionalizar pensamentos insanos...
Meu porto seguro nas tempestades que passei,
Meu mar em calmaria nos momentos bons,
Por isso e por diversos motivos, volto, ainda em construção, por que não sou obra findada, e sim, me aperfeiçôo, evoluo, regrido, progrido e sigo por estes caminhos que a vida me oferece.
Seja bem vindo, você que me acompanhou em outra época, você que apareceu por acaso, você que me conhece um pouco ou quem sabe quase nada.
Respeite meus medos, compreenda meus anseios, compartilhe, concorde e discorde de minhas opniões.
E se me achar esquisita, respeite também. Até eu fui obrigada a me respeitar.”*

Coisas que eu sei - Danni Carlos


* Frase de Clarice Lispector.